Este será um espaço de reflexão e de partilha sobre assuntos relacionados com os temas da Segurança Interna, da Defesa Nacional e afins...
publicado por Vera Lourenço de Sousa | Domingo, 13 Novembro , 2011, 19:35

A interrogação e a instrumentação, tal como já referimos, constituem duas ferramentas essenciais da investigação criminal. Na verdade são processos de recolha de informação que necessita de ser processada. Mas para atingir este objectivo e prosseguir os seus desígnios a Investigação Criminal cria e desenvolve um conjunto de princípios, procedimentos e regras de organização próprias às quais se atribui o nome de SISTEMA OPERATIVO. Trata-se, na verdade, de operacionalizar a investigação criminal (concretizar, atingir os seus fins). Este sistema operativo assenta basicamente em três grandes pilares: O método, a informação e a cooperação (Braz, 2009). Falaremos aqui do método.

 

O método, tal como o próprio nome indica, consiste num caminho para atingir um fim. Significa, portanto que o método da investigação criminal é o caminho que o investigador terá de traçar e percorrer para descobrir afinal quem fez o quê, onde, como, quando e porquê? Na verdade, “trata-se de saber quais as regras base e os instrumentos de raciocínio lógico que servem os objectivos da investigação criminal, permitindo interpretar, ordenar e valorar a informação de que dispomos no sentido de obter aquela que necessitamos” (Braz, 2009). No método da investigação criminal destacamos o pensamento dedutivo e indutivo e a análise, a correlação e a síntese.

 

Tal como já foi referido, o investigador necessita de organizar o pensamento. Neste sentido é fundamental que interprete, ordene e atribua determinado valor à informação de que dispõe por forma a “obter a informação de que necessita, isto é de suportar e orientar no plano intelectual, a procura da verdade material, produzindo novo conhecimento e integrando e corrigindo e conhecimento pré-existe” (Braz, 2009). A investigação utiliza fundamentalmente dois tipos de raciocínio: o dedutivo e o indutivo.

 

O pensamento dedutivo (silogismo na filosofia aristotélica) parte de premissas verdadeiras que nos levarão a hipóteses (deduções, inferências) igualmente verdadeiras. Este tipo de raciocínio não gera novo conhecimento limita-se a decompor e organizar o conhecimento pré-existente, do tipo: todo o homem  é mortal, o Rui é homem, o rui é mortal”. Foi popularizado por Conan Doyle criador do célebre Sherlock Holmes na frase: “elementar meu caro Watson!” quando deduzia algo que estava contido nas premissas. Trata-se, afinal de concluir, de forma diferente, a mesma coisa. É um tipo de raciocínio útil na organização da informação ao longo da investigação criminal e na construção do relatório intercalar e final.    

 

O pensamento indutivo parte de premissas verdadeiras mas não há a certeza de que a hipótese também seja. Neste caso, a hipótese apoia-se na observação e interpretação dos dados. Trata-se, portanto de um tipo de raciocínio onde as conclusões obtidas não correspondem necessariamente a uma verdade contida nas premissas, mas produz-se conhecimento novo passível de ser confirmado ou infirmado, mas que impulsiona a investigação criminal porque permite antecipar novas diligências.

 

O raciocínio dedutivo não acrescenta nada de novo e portanto, não vai para além das premissas iniciais, não envolve risco e não requer avaliação. Pelo contrário, o raciocínio indutivo leva-nos a conclusões que podem ser verdadeiras ou não, envolvendo riscos, requerendo avaliação das probabilidades, mas com muito interesse para a investigação, na medida em que permite predizer (INTERPOL, 2000). É muito útil na análise de informações e na construção do relatório intercalar na medida em que permite predizer e assim, justificar novas diligências.

 

BRAZ, José, Investigação criminal – a organização, o método e a prova, os desafios da nova criminalidade, Almedina, 2009

INTERPOL, Guide Sur L’Analyse Criminelle, Version 3,2000.

 


mais sobre mim
pesquisar neste blog
 
links
Direitos de Autor
Licença Creative Commons
Esta obra foi licenciada com uma Licença Creative Commons - Atribuição 3.0 Unported.
Novembro 2011
D
S
T
Q
Q
S
S

1
2
3
4
5

6
7
8
9
12

19

20
23
26

27
28
29


badge
blogs SAPO