Este será um espaço de reflexão e de partilha sobre assuntos relacionados com os temas da Segurança Interna, da Defesa Nacional e afins...
publicado por Vera Lourenço de Sousa | Terça-feira, 14 Maio , 2013, 22:03

Ele esteve na génese dos serviços sociais, da Escola Prática de Polícia… ficou conhecido pelo seu sentido de ajuda social! Pedia a relação dos elementos que estavam de serviço e ia ter com eles… para saber se estavam bem! E o bem que fez não foi apenas à Polícia e aos polícias. Revela-nos a história que por onde passou deixou a sua marca. Ele foi Comandante Geral da PSP de 17 de Fevereiro de 1959 a 9 de Julho de 1968 e chamava-se Fernando de Magalhães Abreu Marques e Oliveira. Era Tomarense!

 

Na Ordem de serviço n.º 13 de 18 de Fevereiro de 1959 expressou o seguinte desejo: ”farei tudo por tudo para melhorar as condições de vida daqueles que a servem, cumprindo o meu dever abnegadamente”.

 

E em abril desse mesmo ano considerou que a obra social realizada na PSP se caracterizava por uma completa descentralização tendo em consideração que existiam várias instituições de previdência e de assistência nos vários comandos da PSP que estavam na génese de um apoio social diferenciado e desigualitário. Nomeou uma comissão para estudar o assunto e em 31 de dezembro desse mesmo ano é publicado o Decreto – Lei n.º 42794 que cria os Serviços Sociais da PSP tendo implementado “uma série de benefícios que ajudaram muitos Agentes a superar graves dificuldades, com destaque para as casas de habitação social, sendo o bairro dos Olivais, um exemplo dessa altura” (Serviços Sociais da PSP – 50 anos, 2009, página 23).

 

Também foi o impulsionador da criação da Escola Prática de Polícia(EPP). Muito embora a primeira referência a uma Escola de Polícia date de 31 de Dezembro de 1953 por ocasião da publicação do Decreto – lei n.º 39497 que referia que no Comando de Polícia de Lisboa funcionava uma Escola de Polícia destinada à preparação do pessoal dos restantes comandos, a verdade é que ninguém conseguiu implementar tão importante projeto para a formação dos policias, tendo sido revogada expressamente pelo Decreto – lei 44447 de 4 de Julho de 1962 que determinava que “o Comando Geral da Polícia de Segurança Pública dispõe de uma Escola Prática de Polícia destinada a instruir os novos agentes policiais e organizar cursos, exames para promoção ou especialização e orientação da corporação”.

 

Quatro anos mais tarde, era Fernando Oliveira, comandante geral da PSP, foi finalmente estabelecido o seu quadro orgânico (Decreto – lei 47267 de 21 de Outubro de 1966) e a 16 de Janeiro de 1967 a EPP iniciava a sua atividade e publicava a sua primeira Ordem de Serviço.

 

Mas não foi apenas entre nós que deixou boas razões para ser lembrado. Reza a história que durante a II Guerra Mundial comandou em Cabo Verde a 3ª Companhia de atiradores do Batalhão de Infantaria 15 que ficou aquartelada no centro do Mindelo. Numa época caracterizada pela fome extrema era muito comum ver a população a aglomerar-se à entrada do improvisado aquartelamento para receber alguma “sobra de rancho”. E ao contrário do que muitos fariam, deu ordens para que lhes fossem distribuídas todas as sobras que existissem e chegou mesmo a organizar um serviço de distribuição de ”sobras” deixando os níveis do depósito de géneros da companhia abaixo do que estava estabelecido e a interceder junto dos seus superiores sugerindo que todas as companhias procedessem de igual forma, o que veio a acontecer.

 

Por alguma razão, a rua em que esteve aquartelada a 3.ª Companhia de Atiradores do Batalhão de Infantaria 15 ficou, durante muito tempo, conhecida como “Rua Infantaria 15”.

 

 Na altura com 40 anos de idade terá sido convidado para o cargo de administrador do concelho de S. Vicente tendo declinado o convite. Para bem da PSP!

 

O capitão era venerado pelos seus antigos subordinados, que o recordavam pela sua competência profissional e pelo espírito humanitário oculto atrás do seu ar sóbrio e grave… e terá marcado indelevelmente a memória do povo do Mindelo” (por Adriano Miranda Lima em blog http://mindelosempre.blogspot.pt)

 

 

 À frente,  assinalado a vermelho com cerca de 40 anos de idade

Foto: Blog Praia de Bote

 

 Nasceu em 25 de Junho de 1903 em Tomar e faleceu na mesma cidade em 12 de Maio de 1975. Foi presidente da Câmara Municipal, provedor da Santa Casa da Misericórdia de Tomar, vice-presidente da Casa do Concelho de Tomar e presidente da Empresa Editora “Cidade de Tomar”. São obras suas, o mercado da cidade, o parque de jogos, alguns bairros para famílias mais necessitadas, o palácio da Justiça, entre outros.Hoje é possível observar o seu busto no jardim da Várzea Pequena (nas proximidades do coreto), uma homenagem da Casa do Concelho de Tomar em Lisboa.

 

Terá falecido de morte súbita em 1975, aos 72 anos de idade, já general reformado. No seu funeral estiveram presentes vários polícias e militares vindos de vários pontos do país, o mesmo se passando nos anos seguintes no cemitério de Tomar por ocasião da data do seu falecimento. (Serviços Sociais da PSP – 50 anos, 2009 e http://mindelosempre.blogspot.pt)

 

"Os veteranos do ex-3.ª Companhia de Atiradores aproveitavam a ocasião do seu convívio anual para cumprir uma romagem ao jazigo do cemitério de Tomar onde estão depositados os restos mortais do “seu capitão". (por Adriano Miranda Lima em blog http://mindelosempre.blogspot.pt)

 

 

 

Há ou não há obra feita?

 

Pessoas que nos inspiram!

 


mais sobre mim
pesquisar neste blog
 
links
Direitos de Autor
Licença Creative Commons
Esta obra foi licenciada com uma Licença Creative Commons - Atribuição 3.0 Unported.
Maio 2013
D
S
T
Q
Q
S
S

1
2
3
4

5
6
7
8
9
10
11

12
13
17
18

21
23
25

26
29
31


badge
blogs SAPO